ALTERAÇÃO DO ENDEREÇO

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

-" Uma comunidade indonésia que canta em português "

Os indonésios da comunidade Tugu vivem em uma zona que nunca foi colonizada por portugueses, mas tentam viver de acordo com os costumes lusos e promovem Portugal em um estilo de música popularizado.
A família Michiels é umas das 150 que compõem a comunidade de Tugu, próxima a Jacarta, e que conserva a cultura portuguesa através da música.
Não é fácil chegar a Tugu, a nordeste de Jacarta, capital da Indonésia. Mesmo ao fim de semana, o trânsito que liga à aldeia é caótico, devido à proximidade do porto de Tanjung Priok, o principal do país, com cerca de 430 hectares. Apesar dos inúmeros camiões que entopem a estrada principal, sente-se uma tranquilidade ao chegar a Tugu, um ex-líbris de Portugal. Junto ao cemitério e à igreja branca datada do século XVII, há um espaço aberto e arvoredo que lembra o centro de algumas aldeias portuguesas, até pelos idosos que por ali vão deixando cair o tempo. Os ancestrais dos tugu estão ligados aos escravos dos portugueses na Índia que foram levados para a Batávia (a antiga Jacarta) por holandeses. Ainda no século XVII, após o fim do império colonial português no Sudeste Asiático, chegaram àquela zona comerciantes, artesãos e aventureiros oriundos de Malaca, Ceilão, Cochim e Calecute. O cruzamento entre os dois grupos fez nascer os chamados “Portugueses Negros”, que tinham em comum a Língua Portuguesa e a religião cristã. Os holandeses esforçaram-se por apagar as marcas portuguesas, alterando nomes e impondo o calvinismo, mas a língua papiá tugu resistiu. O último falante deste crioulo morreu em 1978. Agora, o idioma é apenas usado na música. Há ainda uma biblioteca, construída com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian, onde a comunidade pode ler em português. A zona é organizada, limpa e agradável e é comum ouvirem-se latidos, ao contrário do que acontece em Jacarta, já que, para a maioria dos muçulmanos, os cães são animais sujos. –– Amor nunca consumado –– Arthur, Lisa e Andre são três dos sete irmãos da família Michiels, uma das 150 famílias habitantes de Tugu, embora existam outros elementos da comunidade espalhados pelo país e também na Holanda. Arthur, o porta-voz da comunidade, é o único que já visitou Portugal. Mas o país está no coração dos restantes, que provavelmente nunca terão oportunidade de pisar terras lusas. A entrevista decorre numa sala que serve para os ensaios do grupo de música Keroncong Tugu e também para exibir prémios e fotografias. Há uma bandeira portuguesa a ocupar boa parte de uma parede, debaixo da fotografia dos pais da família Michiels, prémios e fotografias com altas personalidades do país, incluindo o atual Presidente da República, Susilo Bambang Yudhoyono. Apesar de já terem passado 11 gerações desde a chegada dos portugueses a Batávia, alguns deles ainda têm características físicas europeias, como uma senhora com cabelos ruivos encaracolados. Andre tem os olhos castanhos e não pretos, contrariando a fisionomia predominante na Indonésia, e também o nariz do irmão Arthur é diferente do da maioria. O porta-voz da comunidade diz que carrega “muitos sentimentos no coração”, porque quando viajou até Portugal não se sentiu português, e na Indonésia distancia-se dos restantes por ter um nome europeu. “Quem sou eu?”, questiona, mostrando-se “orgulhoso, mas também triste”. Até à geração dos pais de Lisa, os tugu tentavam casar entre si, mas agora a situação é diferente, pelo que as características físicas europeias deixarão de se notar, diz. Os tugu ainda conservam algumas tradições portuguesas, como “beber algum vinho no Natal e no Ano Novo”, mas “a comida é totalmente diferente”, refere Lisa. –– Música popular e Cristiano Ronaldo –– O estilo de música popular keroncong começou a ser tocado com a chegada dos portugueses e do cavaquinho à Indonésia no século XVI. Hoje existem vários músicos de keroncong no país, mas o Keroncong Tugu, que nasceu em 1998 – embora na comunidade já existisse outro grupo –, é muito famoso porque os indonésios sabem que o estilo nasceu naquela aldeia. O keroncong alia elementos ocidentais e orientais, algo que também é visível nas vestes usadas pelo grupo. Segundo Lisa Michiels, “ultimamente os jovens estão a gostar mais do keroncong“. “Nós tentamos apresentar o estilo nas escolas e na comunidade jovem”, acrescenta. Através da música, os tugu têm aparecido várias vezes na televisão, viajaram pelo país e até para o estrangeiro, como Holanda, Singapura e Malásia. “Queremos mesmo muito, um dia, tocar esta música em Portugal”, confessa Lisa. Em 2008, foi criado o grupo de dança tradicional portuguesa Romeiros de Tugu, com a ajuda do Instituto Camões. Há ainda um grupo de música para os mais novos, a maioria deles da família Michiels, sendo que, durante o encontro com o Público, há uma criança que canta Três pombinhas a voar. Além disso, os tugu participam em eventos e organizam o festival Mandi-Mandi na primeira semana de janeiro na aldeia, que desperta a curiosidade dos visitantes. Arthur, que se diz orgulhoso de a comunidade tugu ser portuguesa, afiança que os indonésios gostam de Portugal não só porque os portugueses não tiveram uma atitude “expansiva” na Indonésia como os holandeses, mas também por causa do futebol. “O Cristiano Ronaldo é como um deus”, diz, rematando com um riso aberto. –– A música como suporte da cultura tugu –– A comunidade faz questão de convidar as pessoas de fora para visitarem Tugu e aprenderem mais sobre a cultura, cujo maior sustentáculo é a música. O Instituto Camões, que neste momento não tem leitor na Indonésia, ofereceu aulas de português à comunidade tugu, e Lisa e Arthur aproveitam a entrevista para ir recordando palavras e até pratos da gastronomia lusa. Os irmãos falam com nostalgia também do tempo em que aprenderam a cozinhar e a fazer renda, e do carinho e atenção que dizem ter recebido do último embaixador português, Carlos Frota, que se reformou este ano. Atualmente, não há embaixador português na Indonésia. Agora apenas podem treinar o português quando contactam com “alguns amigos portugueses” nas redes sociais. Mas os irmãos estão muito gratos pelas aulas, porque antes disso cantavam as músicas sem saberem o significado das letras. “O meu pai apresentou-nos a cultura quando ainda éramos crianças. É por isso que nós amamos a nossa cultura e queremos que a nossa próxima geração também goste da cultura e a proteja”, vinca Lisa.




Andreia. NOGUEIRA, . Extraído do jornal Público (Portugal). Publicado em: 27 nov. 2012.


sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

-"Patuá: dialeto de Macau"

Leitores: 625

Também chamado Crioulo Macaense, Papia Cristam di Macau, ou Doci Papiaçam di Macau, é um dialeto crioulo português formado em Macau a partir do século XVI. A maioria do vocabulário do Patuá é derivado do português e também do malaio e de crioulos de base portuguesa formados na Malásia, ( nomeadamente o kristang ), da língua sinala, de crioulos indo-portugueses e do cantonês. O Patuá era dominado e falado por um grande número de macaenses, por alguns chineses e, principalmente, pelas esposas chinesas de portugueses. A tentativa de, no final do século XIX, uniformizar a língua em todo o Império Português, fez com que macaenses da classe social alta deixassem de usar o Patuá e adotassem o português-padrão ensinado nas escolas, tendo passado o crioulo a ser considerado próprio das classes baixas.
O vídeo que se segue ridiculariza essa tentativa de ignorar o Patuá e mostra como a saudade consegue manter o dialeto vivo. É um vídeo altamente recomendável !

video