ALTERAÇÃO DO ENDEREÇO

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

-" O Genocídio na Nigéria "


Gostaria que surgisse, no espírito de quem visse o vídeo que se segue, a dúvida acerca do papel humanitário da ONU e de muitas ONG ! Ignora-se a Nigéria, onde se mata gente como se fossem moscas, enquanto se mandam 30.000 homens altamente equipados para socorrer o Haiti ! ? ... Será que "as ajudas humanitárias" também têm valor no mercado ou será que encobrem outras intenções ?...
Leiam e vejam o que se segue e formem a Vossa opinião.
O canal de televisão Al Jazeera divulgou um vídeo com imagens chocantes de execuções públicas de homens desarmados por elementos das forças de segurança da Nigéria. As mortes ocorreram no Verão de 2009, depois de um grupo islâmico ser derrotado por forças leais ao governo do país africano.
Nas imagens que passaram no canal noticioso vários homens são conduzidos para o meio da rua, onde já se encontram alguns cadáveres. Ordenam-lhes que se deitem no chão de barriga para baixo, ao que eles obedecem, sendo abatidos a tiros de metralhadora. De seguida são levados para o local mais homens que têm o mesmo destino, enquanto automóveis passam a poucos metros de distância. Um oficial queniano chega a dizer a um dos executores para não disparar na cabeça de um dos alegados rebeldes islâmicos, visto que pretende ficar com o seu chapéu. Enquanto isso, a multidão grita: 'Sem piedade! Sem piedade!'
No vídeo da Al Jazeera também se vê como o líder do grupo Boko Haram, Mohammed Yusuf, foi morto à porta de uma esquadra de polícia horas depois de ser capturado pelas autoridades. A versão oficial é que ele terá tentado fugir, mas o seu cadáver tinha as mãos algemadas.
As forças governamentais nigerianas admitiram que os combates contra os Boko Haram provocaram mil mortos mas nunca admitiram a existência de execuções extrajudiciais. Nasimagens agora divulgadas surgem diversos oficiais de elevada patente.

"AVISO: AS IMAGENS SÃO EXTREMAMENTE VIOLENTAS E CHOCANTES.

2 comentários:

SOS DIREITOS HUMANOS disse...

DENÚNCIA: SÍTIO CALDEIRÃO, O ARAGUAIA DO CEARÁ – UMA HISTÓRIA QUE NINGUÉM CONHECE PORQUE JAMAIS FOI CONTADA

“As Vítimas do Massacre do Sítio Caldeirão
têm direito inalienável à Verdade, Memória,
História e Justiça!” Otoniel Ajala Dourado

O MASSACRE DELETADO DOS LIVROS DE HISTÓRIA

No município de CRATO, interior do CEARÁ, BRASIL, houve um crime idêntico ao do “Araguaia”, foi a CHACINA praticada pelo Exército e Polícia Militar em 10.05.1937, contra a comunidade de camponeses católicos do SÍTIO DA SANTA CRUZ DO DESERTO ou SÍTIO CALDEIRÃO, cujo líder religioso era o beato “JOSÉ LOURENÇO GOMES DA SILVA”, paraibano negro de Pilões de Dentro, seguidor do padre CÍCERO ROMÃO BATISTA, encarados como “socialistas periculosos”.

O CRIME DE LESA HUMANIDADE

O crime iniciou-se com um bombardeio aéreo, e depois, no solo, os militares usando armas diversas, como metralhadoras, fuzis, revólveres, pistolas, facas e facões, assassinaram na “MATA CAVALOS”, SERRA DO CRUZEIRO, mulheres, crianças, adolescentes, idosos, doentes e todo o ser vivo que estivesse ao alcance de suas armas, agindo como juízes e algozes. Meses após, JOSÉ GERALDO DA CRUZ, ex-prefeito de Juazeiro do Norte/CE, encontrou num local da Chapada do Araripe, 16 crânios de crianças.

A AÇÃO CIVIL PÚBLICA PROPOSTA PELA SOS DIREITOS HUMANOS

Como o crime praticado pelo Exército e Polícia Militar do Ceará é de LESA HUMANIDADE / GENOCÍDIO é IMPRESCRITÍVEL conforme legislação brasileira e Acordos e Convenções internacionais, a SOS DIREITOS HUMANOS, ONG com sede em Fortaleza – CE, ajuizou em 2008 uma Ação Civil Pública na Justiça Federal contra a União Federal e o Estado do Ceará, requerendo: a) que seja informada a localização da COVA COLETIVA, b) a exumação dos restos mortais, sua identificação através de DNA e enterro digno para as vítimas, c) liberação dos documentos sobre a chacina e sua inclusão na história oficial brasileira, d) indenização aos descendentes das vítimas e sobreviventes no valor de R$500 mil reais, e) outros pedidos

A EXTINÇÃO SEM JULGAMENTO DE MÉRITO DA AÇÃO

A Ação Civil Pública foi distribuída para o Juiz substituto da 1ª Vara Federal em Fortaleza/CE e depois, para a 16ª Vara Federal em Juazeiro do Norte/CE, e lá em 16.09.2009, extinta sem julgamento do mérito, a pedido do MPF.

RAZÕES DO RECURSO DA SOS DIREITOS HUMANOS PERANTE O TRF5

A SOS DIREITOS HUMANOS apelou para o Tribunal Regional da 5ª Região em Recife/PE, argumentando que: a) não há prescrição porque o massacre do SÍTIO CALDEIRÃO é um crime de LESA HUMANIDADE, b) os restos mortais das vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO não desapareceram da Chapada do Araripe a exemplo da família do CZAR ROMANOV, que foi morta no ano de 1918 e a ossada encontrada nos anos de 1991 e 2007;

A SOS DIREITOS HUMANOS DENUNCIA O BRASIL PERANTE A OEA

A SOS DIREITOS HUMANOS, como os familiares das vítimas da GUERRILHA DO ARAGUAIA, denunciou no ano de 2009, o governo brasileiro na Organização dos Estados Americanos – OEA, pelo DESAPARECIMENTO FORÇADO de 1000 pessoas do SÍTIO CALDEIRÃO.

QUEM PODE ENCONTRAR A COVA COLETIVA

A “URCA” e a “UFC” com seu RADAR DE PENETRAÇÃO NO SOLO (GPR) podem localizar a cova coletiva, mas não o fazem porque para elas, os fósseis de peixes do “GEOPARK ARARIPE” são mais importantes que as vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO.

A COMISSÃO DA VERDADE

A SOS DIREITOS HUMANOS em julho de 2010 passou a receber apoio da OAB/CE pelo presidente da entidade Dr. Valdetário Monteiro, nas buscas da COVA COLETIVA das vítimas do Sítio Caldeirão, e continua pedindo aos internautas divulguem a notícia, bem como a envie para seus representantes no Legislativo, solicitando um pronunciamento exigindo do Governo Federal a localização da COVA COLETIVA das vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO.

Paz e Solidariedade,

Dr. Otoniel Ajala Dourado
OAB/CE 9288 – 85 8613.1197
Presidente da SOS – DIREITOS HUMANOS
Editor-Chefe da Revista SOS DIREITOS HUMANOS
Membro da CDAA da OAB/CE
www.sosdireitoshumanos.org.br
sosdireitoshumanos@ig.com.br
http://revistasosdireitoshumanos.blogspot.com

Arnaldo Norton disse...

O meu blogue, com mais de 2.000 visitas mensais, é um meio a levar em conta que está à disposição para a denúncia de qualquer desumanidade. Se estiverem interessados, queiram enviar-me um texto, devidamente fundamentado.
Cumprimentos.